Efeitos “exóticos”


Desde que Hendrix espantou o mundo com o uso criativo e até então incomum de uma miríade de efeitos, como o fuzz, wha e vibe, efeitos já não são estranhos a nenhum guitarrista. Depois dos 80, então, onde houve um excesso de processamento da guitarra, no auge dos rakcs digitais, efeitos passaram a ser até mesmo clichê. Com o advento das pedaleiras multi-efeito, qualquer iniciante passou a ter a seus pés uma seleção enorme de sonoridades. Chorus, Flanger, Phaser, Wha, Delay, Reverb, Tremolo e as mais variadas maneiras de se distorcer, clipar e saturar o som da guitarra já não pertencem a um jargão exclusivo de músicos experientes, mas de qualquer iniciado na arte das seis cordas.
No entanto, a evolução dos efeitos não parou por aí. Não apenas surgiram efeitos novos desde então, como outros também antigos permaneceram pouco populares. E pretendo, a partir dos próximos posts, ressaltar alguns deles, novos ou antigos, excêntricos ou sutis, no intuito de, quem sabe, inspirar novos guitarrstas a descobrirem novos sons, ou redescobrirem antigos.

 

Anúncios

~ por Paulo Grua em 02/05/2012.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: